segunda-feira, julho 30, 2018

Carta aberta aos do Caminho




Foi no ano de 2006 que escrevi a primeira carta aberta aos do Caminho, ano que iniciamos uma estação do caminho da Graça em Fortaleza, e já se foram 12 anos desde então.

Quanta coisa vivida! Quanta história! E como disse numa oportunidade entre os irmãos, precisamos respeitar a nossa história. Nela há diversos momentos distintos, tempos de não-identificações, tempos de negações, de afirmações, de grandes projetos, de crescimento, de retornos, de novidades, enfim, mas em todos os tempos vividos, uma coisa só importa, para além de tudo que somos como movimento, como expressão social, organizacional e institucional, nós somos mesmo é parte da Igreja de Jesus que se reúnem dentro desse maravilhosos e desafiante corpo, chamado Caminho da Graça.

Não importa o que acham de nós, e nem mesmo o que alguns entre nós acham, o que importa é o que sempre fomos. E quanto a isso não podemos nos calar, nem nos envergonhar, antes devemos bradar, somos Igreja, nascida da inquietação santa que surgiu em nosso coração quando respondemos à pergunta: E vós o que dizeis quem Eu sou? Somos Igreja porque junto a confissão que fazemos lutamos contra as portas do inferno que se abrem dentro de nós mesmos todas as vezes que abandonamos a confissão de fé por nossas especulações teológicas, e na vitória sobre ela vencemos o próprio cristianismo e andamos como comunidade da ressurreição, que lê o mundo todo pela chave hermenêutica é Cristo, amor e verdade encarnados.

Chegou o tempo onde não há mais dúvida em nossa linguagem sobre isso. Há 12 anos na carta mencionada disse: “Jesus veio como a Palavra encarnada, e o caminho da Graça está aqui para anunciar as Boas Novas”. E o que mudou? Nada! Ou talvez apenas a disposição para isso.

Agora não nos gastaremos em maus combates. O nosso bom combate está posto. E juntos como Igreja iremos “para as cabeças”. E que não tenho dúvida das coisas que creio e das decisões que tomei.

Nada mudou em mim nesses anos, repito aqui o que disse há 12 anos: “o caminho da graça é para mim, é minha estação neste tempo. Obrigado Senhor pelo Caio, esse homem, apenas homem, mas intensamente amoroso e amorosamente intenso, que me inquieta, que me confunde, que me quebra, mas que levanta e caminha comigo. Obrigado pelos mentores, todos eles, os que comigo já andam e aqueles que neste encontro tive a graça de conhecer. Obrigado por toda a cura promovida, e por todo aprendizado”.

Termino este encontro com ânimo renovado e pronto para batalhar junto. Esse é o Caminho da Graça. O Caminho é Cristo. O Caminho é Nele. O Caminho vai dá Nele. O Caminho já deu Nele.


Somos parte da multidão dos que confessam no coração, pois nem toda confissão de lábios é verdadeira
Somos parte daqueles que tem um só coração, alma e fé
Entre nós só há um Dogma: o Amor.

E no Amor nos movemos e existimos
Fomos enxertados na Videira para dar frutos
Colocados no Caminho para curar e proclamar
E não temos outra mensagem
Nossa confissão é Jesus Cristo
Nossa esperança a ressurreição

E na simpatia de todos nasce a igreja de novo

Ivo Fernandes
Vosso irmão e servo
30 de julho de 2018


segunda-feira, julho 23, 2018

AVISO

EM VIRTUDE DO ENCONTRO NACIONAL DAS ESTAÇÕES NÃO TEREMOS REUNIÃO NO PRÓXIMO DOMINGO, RETORNAMOS NOSSAS ATIVIDADES NO DIA 5 DE AGOSTO ÀS 17H30MIN!


terça-feira, julho 03, 2018

Caminhe conosco!



Todos São Bem-Vindos
O caminho da Graça é para todos! Porém, compreendemos que você possa ter algumas preocupações, afinal falam muito de nós e isso às vezes gera confusão. Com as questões abaixo esperamos que isso alivie algumas de suas preocupações.

O Caminho da Graça



               1.      O que é o caminho da graça? Qual seu propósito e missão?



a.       O Caminho da Graça é um movimento comunitário de fé, ação social e ensino que existe para anunciar que "Deus é Amor e onde houver amor Deus aí está. E firmamos nossa fé em que Deus estava em Cristo, reconciliando consigo mesmo o mundo, e não considerando mais os pecados dos homens". 
É uma realidade em constante mudança. Não fazemos dela epicentro de coisa alguma; mantemos a ideia do Espírito Livre. É a simples busca de anunciar e viver o Evangelho que para nós é o modo de ser de Jesus nada mais e nada menos do que isto!
Todavia, vamos nos unir, não para formar um gueto; mas para se tornar um contingente de restauração e Vida, com forças multiplicadas.
Surgido em 2004, a partir do site do Caio Fábio, e acionado como Doce Revolução pelo livro “Sem barganhas com Deus” do mesmo.



               2.      Como se organiza?



a.       Para cumprir melhor nosso propósito nos organizamos institucionalmente através da existência das estações, que são grupos organizados em torno do mesmo entendimento a respeito do Evangelho, reconhecidos pela supervisão e/ou pela mentoria nacional, dos braços sociais do movimento, e dos contatos que servem como embriões de novas estações, além da Capelania.

b.      As estações possuem autonomia quanto suas liturgias e ações sociais, ligadas ao movimento pelo entendimento comum, que podem ser pensados em torno de alinhamentos nos Evangelhos e as Escrituras, e nos conteúdos dos livros "Enigma da Graça", "Sem barganhas com Deus", "Um só Caminho", bem como no conteúdo do site (www.caiofabio.net) e das produções da mentoria.  
Uma Estação é um Caminho da Graça no sentido espiritual que carrega – ou seja, é sua mensagem. Não é uma franquia, nem uma denominação, nem uma filial. É o espaço comunitário onde se desenvolve todo o conceito "do Caminho". E todas as Estações estão ligadas pelo mesmo espírito, e com a unidade de pensamento conforme o Evangelho. Em suma, a ESTAÇÃO é o "local de facilitação da pregação do Evangelho, um foco de disseminação, um endereço, no qual ocorrem encontros REGULARES, encontros que propiciam a ambiência para a Ceia, a imposição de mãos, a oração intercessora, a contribuição financeira, o bate-papo sobre a revelação da Palavra nas Escrituras e a convivência franca".

c.       A Supervisão é um serviço, e visa oferecer suporte aos grupos que se reúnem sob a proposta do Caminho, que é segundo o Evangelho. A supervisão, identifica, testifica, coparticipa e se disponibiliza em alegria e devoção as estações. Tem o papel de discernir conforme a proposta quando o espírito presente nos grupos e estações não é conforme o Evangelho, a exemplo de asceticismos orgulhosos, circuncisões contemporâneas (leis de jejuns, batismos, frequência, dízimos, etc.), jactância em torno de títulos, retórica vazia, academicismo, complicações eclesiásticas, relações de policiamento, sacerdotalização e controle das individualidades, além das fobias que geram comportamentos de juízo. Cabendo nestes casos a admoestação e em casos onde não haja de fato unidade, a correta exposição da não afinidade desses grupos.

d.      A mentoria das estações é exercida por pessoas reconhecidas pelo grupo e testificada pela supervisão como dotada de dons para tal serviço que são em essência: Alguém experimentado na vida, tendo clara consciência da mensagem pregada quanto à compreensão da Graça, não fazendo disso nenhum mérito pessoal, não dependente ou desejoso de títulos, cargos, posições. Ser responsável em sua liberdade, leve em seu trato com o próximo, simples em seu modo de viver. Deve liderar servindo, cheio de paciência, e perseverança na fé. E sempre ensinável. Apto ao ensino.

e.       No Caminho não há o ofício. No Caminho há a necessidade. No Caminho não há o CARGO, há o SERVIÇO que corresponde a uma necessidade que se concretiza. No Caminho só há irmãos e seus dons. Assim quando falamos de mentoria, a entendemos como um serviço devotado a um grupo-sob-o-espírito-do-Caminho, prestado por aqueles que foram habilitados por Deus com dons de liderança em amor, planejamento e aptidão para ensinar, além da SERIEDADE COM A VIDA E DO CARÁTER PESSOAL.
f.        A supervisão é exercida por pessoas convidadas pelo Caio Fábio e/ou pelo grupo de supervisores, representados pela supervisão nacional.
g.       A capelania é o serviço de apoio clínico-pastoral-emocional e orientação realizada por voluntários por meios virtuais e presenciais pelas estações.

            3.      VVTV?
a.       Principal veículo de comunicação do Evangelho entre nós, depois do site caiofabio.net
  
             4.      Qual sua relação com o Caio Fábio?

a.       O Caio é o mentor do Caminho da Graça e tem na organização acima total autonomia para gerir ou interromper processos.

            5.      E a questão do dinheiro?

a.       A filosofia espiritual das "Contribuições Financeiras no Caminho" está baseada no livro do Caio intitulado "Uma Graça Que Poucos Desejam". Trata-se da total voluntariedade em tudo. As estações são autônomas na gestão de suas contribuições, sendo admoestada para participarem das frentes sociais do Caminho, a VVTV, bem com o Fundo das Estações, que serve como base financeira para os serviços da supervisão e para o auxílio dos que servem integralmente ao movimento, bem como as situações de emergência.
b.      Para o Fundo pede-se que o compromisso de cada estação seja regular, a fim de podermos dar conta de projetos planejados.

6. Grupos livres

a.       Reuniões familiares ou amigáveis livres, em torno do evangelho de Jesus, mas não temos vínculos de acompanhamento e nem de responsabilidade para com estes grupos e as Estações do Caminho, que são parte do Movimento Caminho da Graça e, portanto, supervisionadas, e orientadas para o mesmo foco, saúde no evangelho, como na proposta inicial.

            7.      E a questão do que cremos?

a.       Não possuímos nenhum documento teológico oficial que sirva de diretriz para a fé comum. Porém confessamos a fé em Jesus Cristo, conforme revelada nos Evangelhos e nos livros neotestamentários. Cremos que Ele é Aquele que veio segundo a ordem de Melquisedeque, portanto não preso a nenhuma geografia ou código religioso, podendo se manifestar a quem quiser e como quiser. Cremos na natureza transgressora do homem, mas que teve sua condição redimida antes mesmo da fundação do mundo, pela Cruz Eterna, fazendo toda criação já existir no solo da Graça, com o propósito de conduzir toda a criação à plenitude.
b.      A partir dessa fé afirmamos que o único dogma entre nós é o Amor, por isso não nos detemos em questões de ordem teológica, histórica, filosófica, morais, pois todas as coisas devem ser conforme o espírito de Cristo, que carregava o amor encarnado.
c.       Temos em honra os escritos bíblicos, mas entendemos que a Palavra é, as escrituras são apenas o texto, portanto devendo ser julgadas pelo espírito de Cristo que é o Amor.

d.      O conteúdo desta fé está registrado nos livros: “Enigma da Graça”, “Sem barganhas com Deus”, “Um só caminho”, bem como nos artigos da “Doce Revolução”.

8. E a Estação Fortaleza?
A Estação Fortaleza nasceu em abril de 2006 e desde seu nascimento é mentoriada por Ivo Fernandes (www.ivofernandes.blogspot.com) e é um lugar-pouso para os peregrinos, para os caminhantes, nela eles descansam, avaliam sua caminhada, respiram e ganham forças para continuar a caminhada.
A estação não é um estacionamento, ou um depósito. É um lugar para não se “ficar”, mas para se ir e passar sempre que no Caminho precisarmos de reforço na caminhada. Porém não é só um lugar de passagem, é também a estrutura que serve a comunidade espirituais dos irmãos na fé comum. Como organização possui um estrutura que trabalha para o funcionamento da mesma, bem como para a propagação do Evangelho.

A estação é leve e sem regras rígidas porque atende a todos os diferentes caminhantes, porém tem um fundamento de fé e disciplinas espirituais como a oração, a pregação, a contribuição, a comunhão, entre outros.
A estação não é uma mera denominação religiosa, mas um espaço para todos, onde se é possível a comunhão. Ela não é um fim em si mesma. Ela existe para os caminhantes e não os caminhantes para ela.


O CONVITE ESTÁ FEITO! VEM CAMINHAR COM A GENTE! VEM QUE NO CAMINHO NOS EXPLICAMOS O RESTO!
Parte inferior do formulário