segunda-feira, janeiro 11, 2010

Nigéria - V

CHOVEU NA ÁFRICA!

Pouco mais de 400 pessoas vieram nos ouvir em campo aberto ontem, na tarde de domingo. Havíamos distribuído em torno de 1600 convites; então, julgo que tivemos ótimo comparecimento, graças a Deus. Caímos na “simpatia do povo”.

“Don´t bring any Money; Just bring your heart!” – era a forma como o Jojó abordava cada passante durante os dois dias que circulamos pelas ruas repletas de gente!

Tínhamos 100 cadeiras. Alugamos mais 100. Outras 200 pessoas ficaram de pé. Todos muito curiosos!

Pastores vinham chegando engravatados. Ternos bonitos. Alguns exigiam que um de nós fosse recebê-los na, digamos, “entrada” da “convenção”. Outros vieram entusiasmados para participar no apoio litúrgico do evento. Todos muito amigáveis e colaboradores. Nós procurávamos distribuir as funções de modo que partes opostas se integrassem e não brigassem entre eles.

Graças a Deus nosso coração estava cheio de paz e de objetivo. Recebemos quem tinha que ser publicamente recebido e dividimos o almejado microfone entre apóstolos, reverendos e evangelistas presentes. Eles agradavam o povo presente.

Um deles nos trouxe uma relação imensa de autoridades eclesiásticas a serem citadas, aplaudidas e homenageadas. Fizemos o mínimo necessário. Negociações o tempo todo: “raspamos a cabeça e circuncidamos Timóteo”. Vestimos suas roupas, a todos cumprimentamos com um sonoro “Praise the Lord!”... Nós vibramos com a apresentação de um coral de “crianças-bruxas” recolhidas no orfanato do Sam e trazidas para a Cruzada por um velho microônibus. Cantaram um “gospel negro” lindo que elas próprias compuseram, entregando a Deus o Perfeito Louvor!

Então, um pastor local responsável por anunciar o pregador, chamou em voz alta, carregada de suspense: “Ele!!! Direto do Brasil!!! Ele!!! O homem de Deus!!! Ele! Ninguém menos do que oooooooooooooh... Reverendo Leeeeeeeooooooooooooouuuuuuuuuu Santoooooooos!!!!!”

Quase gritei GOL! Pensamos que o Rocky Balboa ia invadir o que eles chamavam de “plataforma” (Nada mais, nada menos que o mesmo areão que todos nós estávamos). O Leonardo ficou tão atordoado com a tal chamada triunfal que o mineirinho de Londres chegou lá na frente esquecido de toda a programação. Graças a Deus ele se lembrou de chamar o pregador da noite. “Ninguém mais e ninguém menos que o Reverendo Cesar”! Deixa-me explicar: O reverendo Cesar é ninguém mais e ninguém menos que nosso amigo Adailton César! “Adailton” é uma palavra simplesmente impronunciável aqui; e “reverendo” é a titulação mínima necessária para que alguém faça uso do microfone a fim de abrir a Bíblia e pregar com autoridade!

Lascou-se! Lá fomos nós inventar de última hora um “nome-fantasia” para o Adailton! E ele pregou... Pregou ousadamente, com força e autoridade! Com um estilo “pentecostalizado” que nunca tínhamos visto nele, ex-rev. presbiteriano! O bichinho até pulava! O esforço para se comunicar foi recompensador! Ao final, tínhamos recrutado um exército de gente temente a Deus que se vinculou a nós contra a bruxaria. Aliás, esquecemos que nossa Missão se restringia aos pequeninos acusados por profecias sacerdotais, e o Adailton lhes disse que, pela Graça Abundante de Deus, NÃO TEM maldição que NÃO tenha encontrado seu fim na Cruz de Cristo! Bastava que todos cressem! E todos foram convidados a “SAY NO TO WITCHCRAFT!!!”. Falamos que nosso país também é supersticioso sim; mas que raramente afligíamos nossas vidas com tamanha escravidão cultural, agravada pela astúcia de homens que induzem ao erro os incautos!

Ontem, em Eket, aqui... A alegria deu lugar à vergonha e ao vexame de viver uma situação desse tipo. Os pastores que fingiam que não estavam vendo nada ao redor deles vieram nos dizer que estamos JUNTOS contra a estigmatização infantil.

A distribuição dos evangelhos “GOOD NEWS OF JESUS CHRIST” (ABBA PRESS) e o lançamento do livro “JESUS AND THE CHILDREN” foi feita debaixo de um tumulto incontrolável... Nossos guarda-costas voluntários empurravam o povo de volta para as cadeiras sob pena de não presentear quem estivesse quase arrancando os livros da mão do Clayton, com mão, roupa, Clayton e tudo junto!

Ao final, tiramos centenas de fotos com tanta gente que foi ficando tudo muito cansativo e atordoante ao mesmo tempo em que o amor para com o povo tem aumentado em nossos corações.

Já era noite escura na cidade.

Agora, a gente ia dormir e a notícia ia correr, correr.

A literatura também.

E mesmo o diabo, acusador de nossos irmãos!



Marcelo

Eket City, onde também tem gente boa de Deus!



OBS.: Seria só publicidade se não fosse Verdade. E isso a fim de que o coração de vocês se alegre tal qual o nosso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário